base nacional curricular 2A polêmica em torno do novo currículo escolar para disciplina de História proposto pelo Ministério da Educação (MEC) vem escondendo aquilo que deveria ser o foco principal deste debate: qual a real necessidade de um currículo padronizado nacionalmente para escolas públicas e privadas?

É fato que o excesso de lacunas de temas importantes em um currículo proposto por burocratas só gera debates acalorados em todo o país por sua imposição unilateral junto à sociedade. Ao colocar tema tão importante como a educação dentro do jogo político, o estado gera uma corrida desnecessária para que os diferentes grupos imponham sua visão do mundo sobre os demais, dado que, infelizmente, dentro do estado, para um ganhar, todos os outros devem perder.

Um governo que tanto afirma defender a diversidade resolveu tolhe-la logo onde sua presença é mais importante. Um sistema educacional uniforme, com um currículo imposto direto das mentes no poder para o resto do país, é a raiz para que a divergência e o debate, itens necessários para uma sociedade livre, tenham fim. A vontade dos diferentes pais, alunos, e educadores deve ser respeitada, mesmo que isso contrarie as mentes que se arrogaram no direito de impor sua forma de pensar do Oiapoque ao Chuí.

Os Estudantes pela Liberdade lutam por um Brasil onde as instituições de ensino contribuam para a formação intelectual e o debate plural de ideias. E acreditamos que isto só será possível quando a diversidade educacional, em vez de proibida, for respeitada pelo estado.