Quantcast
Calendário
Rede do EPL
Apóie o EPL
Próximos Eventos

O texto abaixo foi escrito pelo Coordenador de Campus do EPL, Sam Teixeira.

À vendaHá não muito tempo, o LearnLiberty.org produziu um vídeo sobre os mercados, perguntando a estudantes de Georgetown o que eles achavam que deveria estar à venda. O Coordenador Local, Nathan Goodman, sugeriu que transformássemos o vídeo em um evento e, na quarta-feira, os Estudantes Pela Liberdade da Universidade de Virginia realizaram a atividade.

Montamos nossa base em um pátio e começamos a perguntar às pessoas “Você pode responder nossa pesquisa? Nós estamos interessados em saber o que você pensa sobre os mercados“. Ou “Você acha que deveríamos ter autorização para vender órgãos? Que tal sangue? Sexo?” Os estudantes estavam muito interessados ​​em nossa mesa e, ao longo de quatro horas, mais de 100 pessoas nos responderam e vinte pessoas entraram se interessaram ao ponto de quererem receber notícias sobre futuras atividades. Também passamos adiante dezenas de cópias de Peace, Love and Liberty e outras obras. (more…)

protestos 15 de março

Por Luiz Eduardo Peixoto
Estudante de Economia

O reaparecimento dos protestos nas ruas, por diferentes grupos etários e de diferentes classes sociais e origens, bem como recentes pesquisas que demonstram a insatisfação crescente da população com a qualidade de seus representantes suscitou análises que apontam para uma aparente crise política no país, com possível dano à consolidação de nossa jovem democracia. O que estes argumentos perdem de vista – e ao largo – é que o reaparecimento de demandas nas ruas, aliado a uma maior percepção dos deveres de nossos representantes para com suas posições no Executivo e Legislativo, bem como com uma transparente prestação de contas – além da possibilidade de sair às ruas para o externamento de diferentes demandas ou pontos de vista – evidencia, por sua própria ocorrência, um caminho ao amadurecimento do nosso processo democrático. No entanto, é inegável que o caminho vem sendo tortuoso, manchado com escândalos seguidos de corrupção, multiplicação de partidos ocorrendo de forma simultânea à perda da identificação da população com qualquer um deles, e campanhas por cargos eletivos bilionárias que pouco refletem propostas – sendo muito mais uma performance midiática.

Para mudar, então, a bandeira levantada já há algum tempo para a salvação do país vem sendo uma ampla reforma política, que, como uma Arca de Noé, salvará nossa política do mar de imoralidade e fisiologismo que há muito impede o Brasil de alcançar o molde a qual anseia, de democracia liberal, com serviços públicos de qualidade, transparência e gestão eficiente. (more…)

por Nicole Halper

Quando você descobre o libertarianismo, há certos nomes que saltam à vista. É importante aprender com os gigantes intelectuais como Ayn Rand e Murray Rothbard, mas há muitos heróis anônimos que também merecem ser examinados. Nesta  série educacional , esperamos apresentar os estudantes a tais indivíduos. Embora nem todas as personalidades perfiladas aqui sejam explicitamente identificadas como libertárias, elas fizeram grandes contribuições à causa da liberdade e merecem reconhecimento.

“Você está com medo, porque ele é mais forte do que você; você odeia isso porque tem medo; você o ama, porque não pode sujeitá-lo à sua vontade. Só o indomável pode ser amado”.  - Yevgeny Zamyatin , Nós

Um retrato do escritor satírico Yevgeny Zamyatin, que influenciou grandes romancistas distópicos do século 20.

Um retrato do escritor satírico Yevgeny Zamyatin, que influenciou grandes romancistas distópicos do século 20.

Quem: Yevgeny Zamyatin (1884-1937) foi um escritor russo, tradutor e dramaturgo. Zamyatin, embora pouco conhecido em comparação com os autores que influenciou, publicou um romance, Nós, em que podem ser encontradas grandes semelhanças com os principais romances distópicos do século 20. Zamyatin, originalmente se identificava como um bolchevique, embora tenha sido exilado da União Soviética por sua zombaria aos ideais comunistas quando o Partido Comunista chegou ao poder e passou a limitar a liberdade de expressão. Ele proclamou que “deve-se ser um herege permanente“, em um constante estado de revolução e mudança. (more…)

sindicatos

por Victor Pegoraro 

Coordenador Local dos Estudantes pela Liberdade

Não quero determinar aqui o que deve ou não ser defendido pelos liberais brasileiros, muito menos inovar em relação aos debates que já ocorrem no âmbito jurídico. Meu objetivo aqui é demonstrar que a liberdade sindical é uma pauta liberal e que nós precisamos estar na linha de frente das iniciativas que buscam o fim imediato de qualquer intervenção estatal na livre associação dos trabalhadores. (more…)

por 

Há não muito tempo, Barack Obama anunciou uma ordem executiva que protegeria 5 milhões de imigrantes sem documentos da deportação. Essa mudança permitirá que famílias com crianças continuem a viver juntas independente do status legal dos seus pais. Enquanto alguns oponentes da imigração ilegal argumentam que tais medidas apenas toleram a violação da lei em detrimento dos cidadãos “realmente” norte-americanos, um esmagador conjunto de evidências sugere o contrário. Na verdade, fronteiras totalmente abertas – nas quais não são postas restrições legais à mobilidade geográfica das pessoas – é uma das políticas mais economicamente benéficas que uma nação pode realizar. (more…)

Clube Ajuricaba

 

No mês de fevereiro, o Clube Ajuricaba destacou-se por suas atividades de ativismo, como quando o clube recepcionou os calouros Universidade Estadual do Amazonas (UEAM) distribuindo material informativo sobre capitalismo para os pobres  (veja mais detalhes aqui), além da realização de uma aula expositiva para um bom número de interessados, sendo desta forma escolhido o GRUPO DO MÊS!

Em parceria com o Instituto Ludwig von Mises Brasil, o Ajuricaba receberá dez livros escolhidos pelos membros do clube dentre os que estão disponíveis na biblioteca do instituto.

No último final de semana, o Grupo de Estudos Domingos Martins, em Vitória, Espírito Santo, realizou sua quarta reunião, desta vez, discutindo capítulos da obra de F.A. Hayek “O Caminho da Servidão”.

Grupo de Estudos Domingos Martins

por Pedro Menezes

Fundador e ex-conselheiro executivo dos Estudantes pela Liberdade

Lula Dilma e SaneyEssa semana, surgiu em toda a blogosfera progressista uma bomba: uma organização chamada Estudantes pela Liberdade (EPL) seria a face oculta dos protestos pelo impeachment da Presidente Dilma, fomentando o golpe com financiamento dos irmãos Charles e David Koch, magnatas norte-americanos que “desrespeitam direitos indígenas, o meio ambiente e tem óbvio interesse na Petrobras”. O artigo “Quem está por trás dos protestos no dia 15” viralizou nas redes sociais, sendo republicado pelas revistas Fórum e Carta Capital.

O problema: os Estudantes pela Liberdade não foram criados por americano nenhum. Foram meia dúzia de estudantes brasileiros, tão duros quanto qualquer estudante brasileiro. Eu estava entre eles. O dinheiro dos irmãos Koch nunca chegou a mim. Não é que eu tenha algo contra a ideia. Receberia uns milhõeszinhos sem reclamar. Foram muitas as vezes em que saí por aí de ônibus, carregando caixas e caixas de livros ou panfletos, justamente porque os magnatas americanos nunca abriram o bolso. Tirei do meu bolso, por diversas vezes, para fazer com que atividades do EPL acontecessem. Alguns membros chegaram a contrair dívidas, como pessoa física, para financiar a organização. Se qualquer um dos meios de comunicação responsáveis pela viralização do texto tivessem cumprido a lição de casa mais básica do jornalismo, e perguntasse a alguém como eu – ou outros tantos aptos a responder – se o EPL realmente recebia dinheiro dos Koch, a dúvida acabaria em 2 minutos. Sabe-se lá por que – e imagina-se bem por que – a Carta Capital não demonstrou o mínimo apego pela seriedade jornalística. (more…)

cooperaçãoCom muita frequência, os críticos do libertarianismo se põem contra nossas idéias apontando que “os seres humanos são animais sociais.” Por exemplo, um recente artigo no The Raw Story condena veementemente a ênfase do Bill of Rights Insitute sobre a liberdade e responsabilidade, respondendo que “Mesmo que os irmãos Koch não admitam isso, os seres humanos são animais sociais. Sempre fomos e sempre seremos.” Em novembro, o antropólogo John Edward Terrell escreveu no The New York Times que “Ao contrário da retórica libertária, a evolução nos tornou uma espécie social, tanto é assim que a condição essencial de sobrevivência humana é e sempre foi a pessoa mais suas relações com os outros.” Estes escritores parecem pensar que os libertários negam que os seres humanos são animais sociais. No entanto, o pensamento libertário é preenchido de análises e celebrações pela cooperação social.

É fácil entender por que este equívoco sobre o libertarianismo persiste. A retórica libertária enfatiza frequentemente o direito de “ser deixado em paz.” Falamos constantemente sobre o individualismo e os direitos individuais. E a nossa ênfase nos direitos de propriedade facilmente pode virar um espantalho sobre como um liberal só pensa no que é dele. (more…)

Os Estudantes Pela Liberdade esclarecem que são totalmente apartidários e não destinam ou transferem recursos, direta ou indiretamente, para políticos, partidos ou organizações com fins políticos e/ou partidários. Dessa forma, os Estudantes Pela Liberdade não são parte da organização da manifestação do dia 15 de março.

Não obstante, não há nenhum impedimento para que os beneficiados e voluntários dos Estudantes pela Liberdade, sejam eles estudantes, grupos parceiros ou coordenadores, atuem em quaisquer organizações e eventos deste tipo, desde que em nome próprio e não utilizem recursos dos Estudantes Pela Liberdade para a produção de materiais destinados a beneficiar tais instituições e eventos.